Para a NASA o futuro das missões espaciais está neste “tecido espacial” impresso em 3D

Imagine um material que pode ser usado como uma superfície para que possamos caminhar sobre planetas desconhecidos, como coberturas para navios, antenas, ou até como fatos de astronauta, entre outras possíveis aplicações. Isto é precisamente o que a NASA desenvolveu graças ao seu departamento de investigação, um material que até agora foi apelidado de “tecido espacial“.

A NASA apostou na impressão 3D para criar este tecido de metal com design “4D”. Isto permitirá que seja usado numa grande quantidade de tarefas, mas pode ser destruído quando terminar de o usar para recriar uma nova ferramenta com o mesmo material.

Infinitas aplicações

A NASA não especificou os detalhes técnicos ou os materiais utilizados para dar vida a este “novo” material, apenas mencionam que graças às suas propriedades é capaz de refletir a luz numa das suas faces, enquanto a outra serve para absorver. Segundo a agência, vai permitir ter um controlo térmico para a gestão do calor passivo.

Também pode ser dobrado e usado com diferentes formas e desenhos, mas o mais importante é o fator de reutilização, uma vez que este mesmo material pode servir para uma tarefa e, em seguida, ser reemprimido em 3D, para dar uma forma completamente diferente que serve para outro propósito. Em suma, pode ser imprimido, usado, testado, destruido e reimprimido quantas vezes for necessário.

 

tecido espacial nasa

 

Graças a esta versatilidade, a NASA pretende usar este material no fabrico de fatos espaciais, antenas gigantes ou dispositivos de comunicação implantáveis, para isolar as naves espaciais, assim como para recolher objetos desconhecidos de outros planetas e até mesmo como superfícies para os astronautas ou os rovers poderem andar com segurança em terrenos inexplorados.

Este “tecido espacial” ainda está numa fase inicial de desenvolvimento, por isso desconhecemos quando o vamos poder ver ação nalguma missão, mas a NASA está convencida de que é o material do futuro.

Deixe o seu comentário...

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *