A Noruega está a fabricar o “Tesla dos mares”: primeiro barco autónomo impulsionado por energias renováveis

Estamos em pleno boom dos carros elétricos e dos sistemas de condução autónomos, e alguns preveem que avançará para outros tipos de veículos e sistemas até que seja normal nas nossas vidas. Enquanto isto acontece, já vimos muitos projetos, especialmente em carros e sistemas de transporte terrestre, mas parece que é hora de dar um salto para a água.

As empresas norueguesas Yara International ASA e Kongsberg Gruppen ASA confirmaram que já estão na fase final do fabrico do seu próximo navio, denominado ‘Yara Birkeland‘. O aspeto relevante sobre este novo barco é que não poluirá e não precisará de tripulação para a sua operação.

Yara Birkeland

Os executivos de ambas as empresas já o apelidaram de “Tesla of the Seas” porque grande parte da tecnologia que emprega é muito semelhante à de um carro Tesla. Também mencionam que é um barco de “zero emissões” que abandona completamente os combustíveis fósseis, no entanto, não deram detalhes sobre os seus sistemas ou especificações, só sabemos que será elétrico.

Tudo se concentrou nas capacidades autónomas com as quais o navio poderá fornecer contentores com fertilizantes, de início. A empresa planeia colocá-lo em operação até o final de 2018 com uma equipa de 3 pessoas, que ajudará a testar os sistemas para a sua operação autónoma em 2020, que será quando não necessitará de nenhum ser humano a bordo.

As primeiras viagens serão de curta distância, aproximadamente 60 quilómetros, dentro de um fiorde onde se encontra a produção de prata em direção ao porto de Larvik.

 

 

Este navio irá custar US $25 milhões, ou seja, até três vezes o preço de um navio de contentores convencional, mas os responsáveis mencionam que tudo será compensado pela redução dos custos operacionais, salários dos membros da tripulação (necessitam regularmente de 25 pessoas para operar) e combustível. Uma economia que, segundo estimativas da mesma empresa, seria de cerca de 90%.

O ‘Yara Birkeland’ vai apoiar-se em sistemas GPS, radares, câmaras, sensores, estará conectado constantemente à sede da empresa e já tem viagens programadas para transportar 100 contentores em 2018. Agora, o que deverá ser feito é impulsionar a regulação com que os barcos autónomos poderão navegar livremente por águas regionais e internacionais, algo que a Organização Marítima Internacional espera estar pronto pouco depois de 2020. Os criadores de Yara asseguram que o navio poderá fazer viagens da Holanda ao Brasil.

Deixe o seu comentário...

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *